Pela primeira vez fora da Bahia, San Island Weekend 2020 será no Ceará

Pela primeira vez fora da Bahia, San Island Weekend 2020 será no Ceará



Depois de passar por Morro de São Paulo e Trancoso, no litoral baiano, o San Island Weekend sai da Bahia pela primeira vez. O evento, comandado pelo Grupo San Sebastian, abriu no dia 11 de setembro, as vendas para a edição 2020, que acontecerá de 22 a 24 de maio, no paraíso cearense de Jericoacoara, a 370 km de Fortaleza.


"Jeri já era um potencial destino do San Island há um tempo e, além das belezas naturais, traz outros atrativos, como uma rede hoteleira preparada e aeroporto capaz de receber visitantes de diferentes partes do Brasil com qualidade e segurança", explica José Augusto Vasconcelos.


"Em 2020, mais uma vez teremos Ivete Sangalo como nossa grande estrela e estamos preparando outras surpresas, que serão divulgadas aos poucos até lá. Sem dúvida, será mais uma edição incrível da festa, uma experiência diferente, dentro do nosso esforço de sempre valorizar o Nordeste", revela André Gagliano.



Jericoacoara


Em 1984, a lei federal declarou Jericoacoara como "Área de Proteção Ambiental" (APA), e em 2002 a área atingiu o status de proteção ambiental do país como um Parque Nacional. Tornou-se popular entre mochileiros e viajantes mais aventureiros que buscam locais desconhecidos e incomuns. Em 1984, a "Washington Post Magazine" nomeou Jericoacoara como uma das 10 praias mais bonitas do mundo. Desde então, a pequena vila de pescadores vem crescendo lentamente. No entanto, graças às limitações de construção, você não encontrará edifícios maciços ou hotéis.


Jericoacoara é um lugar a parte do mundo moderno, apressado de sirenes gritantes, prazos maníacos, engarrafamentos infinitos. Um lugar onde as ruas são pavimentadas com areia, onde as praias se estendem tão longe quanto o olho pode ver e onde a água morna se casa com a brisa das folhas dos coqueiros. Até cerca de 20 anos atrás, Jericoacoara ainda era uma aldeia de pescadores isolada e simples. Não havia estradas, nem eletricidade, nem telefones, nem TV, nem jornais e dinheiro era raramente utilizado. Isso trouxe muitas restrições de construção e controle do turismo, o que ajuda a preservar a área. A eletricidade chegou na aldeia e hoje, chuveiros quentes e ar condicionado não são mais artigos de luxo. No entanto, a lei local proíbe a iluminação pública.