'Pior está por vir'

'Pior está por vir'

Cerca de 200 praias do litoral nordestino foram afetadas por manchas de óleo recentemente, mas o presidente Jair Bolsonaro afirmou que ‘o pior ainda está por vir’. O líder disse que o petróleo recolhido até o momento é apenas uma pequena quantidade do que foi derramado.


Porém, o ministro da Defesa, Fernando Azevedo, não confirmou as declarações de Bolsonaro. Segundo o ministro, o governo não dispõe de informações sobre o volume total de óleo que ainda pode chegar à costa brasileira.


"Nós não sabemos a quantidade derramada, o que está por vir ainda", disse o ministro.


Azevedo ainda afirmou que a Marinha está acompanhando as ocorrências de óleo na costa, mas que o avanço das manchas não é facilmente detectado por satélites ou radares. "É difícil, porque ele [o óleo] fica a meia água, é imperceptível", disse.


Ainda nesta segunda-feira, os dois maiores navios da Marinha do Brasil saíram do Rio de Janeiro em direção ao Nordeste para ajudar no combate ao vazamento. A medida foi tomada mais de 60 dias após o material ser detectado na costa da região.


No domingo, Bolsonaro disse que "todos os indícios levam ao cargueiro" da Delta Tankers.


A empresa grega, dona do navio petroleiro Bouboulina, tido pelas autoridades brasileiras como principal suspeito pelo vazamento, negou no sábado estar envolvida no caso.


A companhia afirmou, através de comunicado, que a embarcação saiu da Venezuela em 19 de julho e que chegou a seu destino sem problemas, onde "descarregou sua carga total sem perdas".


"Não há evidências de que o navio parou, realizou qualquer tipo de operação STS (de navio para navio), sofreu algum vazamento, ou desviou-se de sua rota, em seu caminho da Venezuela para Melaka, na Malásia", acrescenta a nota.


O Bouboulina atracou na Venezuela em 15 de julho, ficou ali por quatro dias e continuou viagem rumo à Malásia, pelo Atlântico, vindo a aportar apenas na África do Sul, em 9 de agosto. Segundo suspeitam os investigadores, foi no trajeto que ocorreu o vazamento.


Investigações indicaram que o vazamento de petróleo bruto ocorreu a cerca de 700 quilômetros da costa brasileira "entre 28 e 29 de julho". De acordo com autoridades brasileiras, apenas o navio de bandeira grega atravessou a região no período.


Na sexta-feira, a Polícia Federal efetuou dois mandados de busca em escritórios no Rio de Janeiro ligados ao navio grego suspeito de causar o vazamento. O ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, disse a jornalistas que a Delta Tankers já havia sido notificada sobre o assunto.


A Marinha disse que o óleo coletado nas praias do litoral nordestino foi submetido a análises em laboratórios que comprovaram ser originário de campos petrolíferos da Venezuela.


Desde o início de setembro, cerca de quatro mil toneladas de petróleo chegaram a 314 praias do Nordeste.