“Quanto, como e quem serão beneficiados?”

“Quanto, como e quem serão beneficiados?”

Durante a Sessão Ordinária da Câmara Municipal de Vitória da Conquista (CMVC), na manhã desta sexta-feira, 25, a vereadora Viviane Sampaio (PT) criticou o projeto que autoriza a Prefeitura Municipal a contrair mais um empréstimo, dessa vez na ordem de R$ 60 milhões junto à Caixa Econômica federal. “É genérico, abstrato. Apenas traz a intenção do Poder Executivo adquirir valores de empréstimo da Caixa Econômica federal, não traz detalhamento em relação a quem será beneficiado, como valor, nem início das obras. Nem sequer um projeto tem”, apontou. “Quanto, como e quem serão beneficiados?”, questionou a parlamentar.


A líder da Bancada de Oposição disse que não é viável dar um”cheque em branco” ao prefeito Herzem Gusmão. “A Oposição não vai dar um cheque em branco para o prefeito que vem cometendo o maior estelionato eleitoral que ocorreu aqui nos últimos anos. Caminharemos com responsabilidade”, disse Sampaio.


Ainda em seu pronunciamento, Viviane disse que o devido planejamento previsto em lei evitará confusão no uso dos recursos. “Quando não há diálogo, transparência em um projeto tão importante, que traria benefícios, pode simplesmente trazer confusão”, analisou.


Valdemir Dias (PT) lembrou que a Câmara aprovou anteriormente o financiamento através do PAC 2, justamente porque havia transparência na utilização do dinheiro. “O PAC 2 tinha projeto definido, com descrição, com projeto, memorial descritivo. O que estamos pedindo é que sejam definidas as regras dos investimentos do Finisa, principalmente as regras de saneamento e pavimentação”, explicou Dias. “Ninguém aqui é contra o desenvolvimento da cidade”, assegurou ele.


De acordo com Valdemir, o projeto de lei não especifica valores e locais onde os investimentos serão feitos. “Não especifica os investimentos nos bairros. Não tem escrito”, apontou ele. “O que nós estamos pedindo é que seja documentado esses R$ 33 milhões. Onde vão ser investidos? Quais serão os bairros? Quais serão as ruas? Quanto será investido? Nós estamos pedindo transparência. É mister dessa Casa exigir essa transparência”, disse o parlamentar, ressaltando o papel fiscalizador do Poder Legislativo.